terça-feira, 28 de abril de 2009

SEGURANÇA NO TRÂNSITO SERÁ TEMA DEBATIDO EM CAJUEIRO

Foto brincadeira: Um grupo de amigos brinca com as placas de trânsito por causa do péssimo estado das rodovias. Essa turma não é mole!
Com o aumento do tráfego de caminhões pesados e também de outros veículos destinados aos serviços portuários do Complexo do Açu, que circulam sem parar nas rodovias vicinais sanjoanenses, tem-se notado grande preocupação na prevenção de acidentes e a busca contínua de melhoramentos das estradas utilizadas pelas empresas prestadoras de serviços. É bem verdade que a BR 356 tem permanecido em péssimo estado de conservação e o DNIT, que já recebeu "sinal verde" para as obras, ainda não iniciou seus trabalhos.
Neste intuito, qual seja, o de informar a população sobre o trânsito local é que o "PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA LLX" e a Secretaria de Transportes de São João da Barra estarão apresentando palestra com o tema Segurança e Sinalização de Trânsito, que acontecerá no dia 30 de abril, às 16 horas, na Escola Municipal João Flávio Batista, no Cajueiro.
Compareça!
Faça suas cobranças!

segunda-feira, 27 de abril de 2009

SJB - TEM GUIAMENTO ECOLÓGICO COM COLETA DE AMOSTRAGEM DAS ÁGUAS DO RIO PARAÍBA DO SUL

Foto: Imagens da APA da CEHAB que beira o rio Paraíba do Sul.
Nesta segunda-feira, 27/04, pela parte da manhã, a equipe de educação ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Públicos de São João da Barra - SEMASP, receberá integrantes do Projeto Pólen (que é voltado para educação ambiental de todos os municípios abrangidos na Bacia de Campos por causa da exploração petrolífera), de municípios vizinhos, componentes da região Norte Fluminense, para a realização de um guiamento de turismo ecológico e coleta de amostragem da água da foz do rio Paraíba do Sul.
Arleide Ferreira e Áureo Simões Bongosto, ambos gestores ambientais do Projeto Pólen em São João da Barra convidaram a SEMASP para a realização de um tour fluvial ao Paraíba do Sul, para se conhecerem melhor algumas áreas carentes de proteção e outras em circunstâncias especias de conservação como a APA da CEHAB, que ainda tem uma mata ciliar intacta e está em processo de criação.
Na oportunidade, a Equipe de educação ambiental da SEMASP, sob a orientação de Marco Pacheco, coletará em kit próprio, uma amostragem das águas da foz do Paraíba do Sul para uma análise momentânea de aspectos como turbidez e acidez do mesmo. A condução dos barcos ficará por conta de Adriãozinho, também membro da equipe de Educação Ambiental da SEMASP.
O Guia em Turismo Regional cadastrado na Turisrio, Andre Pinto - que também faz parte da equipe de Educação Ambiental da SEMASP - falará de aspectos históricos do rio Paraíba do Sul, a presença dos índios goitacazes em seu entorno, a ocupação no período das Capitanias Hereditárias, A chegada do primeiro povoamento do Norte Fluminense em Atafona, o tráfico de escravos na fazenda da Barra, na foz e outras histórias e lendas. Também falará dos problemas advindos da construção de hidrelétricas bem como o fenômeno erosivo do Pontal de Atafona. A previsão de saida é para 8 h e 30 mim e chegada 11 h e 30 mim, ambos no Cais do Imperador em São João da Barra.

CRISE MUNDIAL E OS ROYALTIES DO PETRÓLEO

Economistas preveem queda dos Royalties do Petróleo – Economistas da Faculdade Cândido Mendes analisam que se a crise financeira mundial continuar afetando o consumo de petróleo, e mantiver baixo o preço do barril no mercado internacional, a queda será prolongada na arrecadação de royalties dos nove municípios fluminenses mais aquinhoados com royalties. A redução da receita royalties para Campos só de janeiro e março ultrapassou a 50%. Somente nos meses de janeiro e fevereiro encolheu 40% em relação ao repasse de dezembro. Nestes quadrimestre de 2009, a crise desviou R$ 66 milhões da receita royalties dos cofres da Prefeitura de Campos.

CASAL É ASSALTADO E AMORDAÇADO DENTRO DE CASA EM GRUSSAÍ

Deu no Jornal O Diário News:
Casal é assaltado e amordaçado dentro de casa em Grussaí
Um assalto à residência, na noite de sábado, assustou os moradores da Praia de Grussaí, no município de São João da Barra. Dois homens armados com facas amordaçaram e mantiveram reféns, em uma casa, na Rua Valdir Araújo, o bancário Sebastião Carlos de Souza Passos, 56 anos, e a esposa, não identificada. As vítimas, segundo informações, moram em Campos e passavam o final de semana no litoral sanjoanense.Na ação, os bandidos levaram um notebook e um aparelho celular, além de talão de cheques e cartão bancário. De acordo com relato das vítimas à Polícia Militar, por volta das 21h45 elas foram surpreendidas por dois homens, que estavam em um Gol, cor branca. Os bandidos estariam rondando a casa instantes antes. Sebastião e a esposa foram amordaçados e trancados no banheiro, onde permaneceram até a chegada da polícia. O caso foi registrado na 145ª Delegacia de Polícia (DP/SJB). A polícia ainda não tem suspeitos do crime.
Acessado em 27/04/09

domingo, 26 de abril de 2009

TECEX - EMPRESA DE GRANDE RESPONSABILIDADE SOCIAL- VEM ENCERRANDO SUAS ATIVIDADES EM DOSES HOMEOPÁTICAS

A VALENTE SAGA DA TECEX
Com um passado e presente glorioso, fundada num momento em que São João da Barra soerguia economicamente - depois de uma longa ibernação de décadas pós-movimento portuário - a Fiação Santa Amélia, conhecida como TECEX Tecelagem, está encerrando suas atividades em São João da Barra.
É sabido que o setor produtivo já encerrou as suas atividades e seus funcionários, em acordos feitos com a alta administração da TECEX, já estão recebendo as verbas resilitórias ou de rescisão contratual normalmente, em cronograma previamente combinado. Tudo às claras, bem dizer.
Em pensar que a empresa nasceu em 1961, um ano antes da inauguração do asfaltamento da estrada São João da Barra - Campos, estrada esta inaugurada pelo Governador Celso Peçanha e que seus produtos iam para diversas plagas do Brasil, o seu histórico de existência nos dá muito orgulho.
A tristeza é saber que, no mercado competitivo internacional - pelo princípio da "mais valia" - produz tecidos e outros materiais inescupulosamente à preços baixos utilizando-se de mão-de-obra asiática barata e muitas vezes em regime de redução análoga à escravidão (caso dos Chineses, Coreanos etc), provocando a concorrência desleal com as indústrias brasileiras, a TECEX passou a não aguentar mais competir com empresas estrangeiras que supostamente tinham impostos baixos, sonegavam os mesmos diversas vezes e tinham facilidades de entrada de seus produtos no mercado brasileiro, que de certo modo favorecia até a pirataria.
Ademais, as atividades da TECEX - Indústria que era estabelecida, em tempos pretéritos, isolada e sem urbanização - começou a ser cercada de casas e pequenas propriedades e iniciaram-se os problemas de impacto de vizinhança, tendo sido compelida, no ano passado, a cumprir Termo de Ajustamento de Conduta para melhorar a prevenção de poluição sonora de seus galpões e com saídas de emergência em vários pontos, o que acarretou com a suspensão definitiva do turno da noite, em respeito à Lei do Silêncio. Em seguida cancelou os outros dois turnos sucessivamente.
A partir deste ano, a empresa somente tem mantido um pequeno grupo de funcionários que presta serviços de vigilância do local. Segundo informações oficiosas, o ativo da empresa está em perfeitas condições de arcar com suas obrigações societárias, estatutárias, empregatícias e de pagamento de fornecedores.
O que fica de concreto no local
O espaço físico, ou lay out da TECEX é excelente para se montar um supermercado com lojas de departamentos, servir de logística também para empresas de construção e engenharia que queiram se instalar em São João da Barra, Garagem para empresas de transporte público ou privado, ser um equipamento turístico para realização de competições Kart Indoor, quadra de futsal ou até mesmo um centro de shows ou festas infantis com diversos brinquedos e praça de alimentação. Tem a possibilidade também de ser um extenso show room para eventos. Bom, tá dada a dica. O que nos resta agora é lembrarmos do heroísmo de seus administradores e funcionários que levaram o nome de São João da Barra aos píncaros do sucesso empresarial.

sábado, 25 de abril de 2009

AS GALINHAS DE FRÔ ALEGRE ATACAM DE NOVO

O Cine Teatro São João apresentará novamente a grande peça teatral "As Galinhas de Frô Alegre", neste final de semana, dias 25 e 26/04. As sessões serão no sábado às 20 horas e no domingo a 1ª sessão às 17 h e 30 mim e a 2ª sessão às 20 horas.
Na oportunidade, estarão sendo vendidas as camisetas da peça bem como DVD do making off da peça a um preço simbólico de R$15,00 cada um separadamente.
A bilheteria abrirá a partir das 14 horas, deste sábado. Adquira antecipadamente seus ingressos! Menores de 10 anos devem estar acompanhados de seus pais.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

OGX JÁ TRABALHA COM EIA / RIMA SOBRE ATIVIDADES PETROLÍFERAS NA BACIA DE CAMPOS

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São João da Barra recebeu recentemente um CD ROM / DVD com estudos de EIA (Estudo de Impacto Ambiental) e RIMA (Relatório de Impacto Ambiental) das atividades futuras de prospecção e perfuração de poços de petróleo na Bacia de Campos, por parte da OGX, mais uma empresa do grupo "X", de Eike Batista que movimenta a construção do Porto do Açu em São João da Barra.
No ano passado a OGX conseguiu bater o recorde de aquisição em leilão de blocos a serem explorados na região da bacia de Campos. Chegou a derrotar a própria Petrobrás em número de blocos adquiridos.
A equipe técnica da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, tem um prazo de 40 dias para fazer observações de praxe bem como solicitar ao empreendedor algum projeto específico para nossa região. É bem provável que o Conselho Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, através de seu presidente, Marcos Sá, solicite aos empreendedores uma Audiência Pública para nosso município, para maiores esclarecimentos e aproximações.

CINE EBX PROPORCIONA DOCUMENTÁRIOS COM TEMAS EDUCATIVOS EM SÃO JOÃO DA BARRA

Com uma programação variada para todas as idades, o Programa de Comunicação Social da LLX vem oferecendo o projeto "CINE EBX - CINEMA AO AR LIVRE". A programação que envolve diversos pontos do município, teve sua estréia na semana passada, 17/04, na Praça São João Batista, centro de São João da Barra, bem ao lado da antiga Casa da Câmara e Cadeia, com uma exibição noturna em um super telão. Hoje, 24/04/09, houve a apresentação do filme "Anjos do Sol", no Palácio Cultural Carlos Martins, a partir das 15 horas. Vale a pena assistir aos filmes para no final debater os mesmos com os presentes. É uma ótima iniciativa. Veja abaixo a programação do projeto 30/04 - quinta - Cajueiro - Escola Municipal João Flávio Batista -
"Segurança e sinalização de trânsito". 08/05 - Sexta - Centro - Palácio Cultural -
"Globo Ecologia: Consumo responsável e a cidade e a moda." 15/05 - Sexta - Centro - Auditório da Prefeitura -
"Expedições Água". 22/05 - Sexta - Centro - Palácio Cultural -
"Água, cuidados e proteção". 29/05 - Sexta - Centro - Palácio Cultural -
"Efeitos do Álcool". 05/06 - Sexta - Centro - Palácio Cultural -
"Favela Rising". 12/06 - Sexta - Açu - Sede da Assoc. de Mor. do Açu -
"Favela Rising".

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO PARAÍBA DO SUL ABRE O PROCESSO ELEITORAL PARA O BIÊNIO 2009 - 2010

O edital para o Processo Eleitoral do Comitê de Bacia da Região Hidrografica Baixo Paraíba do Sul - biênio 2009-2010 está aberto.
A importância do evento reveste-se na participação de vários municípios no processo de gestão das águas do rio Paraíba do Sul, principalmente São João da Barra, que é a foz e tem grande interesse na busca de soluções contra a poluição, enchentes, escassez de águas e drenagens. Devem participar das eleições os diversos órgãos públicos, usuários e sociedade civil organizada.
As inscrições estarão abertas entre os dias 20 de abril de 2009 a 15 de maio de 2009, conforme edital divulgado nos sites da SERLA (http://www.serla.rj.gov.br) e do INEA (http://www.inea.rj.gov.br/recursos/edital_bparaiba.asp).

RECORDANDO, COM IMAGENS, AS CAMPANHAS INSTITUCIONAIS DO TURISMO EM SÃO JOÃO DA BARRA

Veja abaixo, nas imagens e mensagens, a evolução do marketing turístico sanjoanense. É muito interessante. O blog publicará neste espaço, mais materiais sobre o tema.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

AINDA SOBRE USINAS NUCLEARES NO NORTE FLUMINENSE

Com a notícia de provável instalação futura de 02 Usinas Nucleares no Norte Fluminense, veiculada a poucos dias atrás pela imprensa, logo nos vem a preocupação de diversos aspectos que envolvem o assunto. A lembrar dos problemas ocorridos em Catité, na Bahia, onde havia atividade de extração de urânio por uma Unidade de Concentrado do mesmo produto, para dar nascimento ao Yellow Cake e que, segundo o relatório "Ciclo do Perigo" contaminava a água de Catité por mais de 20 km de distância.
Voltamos agora a nossa preocupação para São João da Barra, no interior do Estado do Rio de Janeiro, que tem áreas demarcadas pelo INB (Instituto Nuclear Brasileiro), próximas ao rio Paraíba do Sul em propriedades rurais e que, se concretizadas as intenções governamentais de produção de urânio no Norte Fluminense, a nossa cidade poderá vir a ter uma unidade de processamento igual ou superior à de Catité. Esperamos que isso não ocorra tão cedo, ou até mesmo, não ocorra nunca, ainda que sob a alegação de gerar empregos aos munícipes. As unidades de processamento, bem como as usinas nucleares, são consideradas geradoras de energias sujas, mas seus engenheiros vêm alegando que as mesmas não emitem CO2 na atmosfera e são seguras. Ledo engano, pois são muito caras e ineficients de se fazer eletricidade, porque é altamente centralizada. Ademais, se você oferecer projetos nucleares no mercado de ações, ninguém vai comprar.
Cadê as eólicas?, o Governo do Estado editou tempos atrás um Atlas Eólico muito interessante. Cadê a energia solar? Havia a promessa do Eike Batista em trazer para o Porto uma empresa Japonesa produtora de painéis solares. Estamos aguardando.
O Governo Federal Já fez algum estudo do movimento das marés na costa sanjoanense para provável instalação de usinas de energia pelas marés? Vamos pensar em alternativas ecologicamente corretas.
Obs: Historiadores comentam que na costa sanjoanense, antes da Segunda Grande Guerra, eram vistos navios alemães que faziam carregamentos clandestinos da areia monazítica para fins de pesquisa bélica. Seria bom se achássemos as fontes destas notícias.

SÃO JOÃO DA BARRA, BERÇO DE TRADIÇÃO, DEVOÇÃO E FÉ

Foto: Festa de São João Batista com a procissão fluvial no rio Paraíba do Sul (na foto o antigo prédio da Cia de Navegação). Origem da foto: Capa do livro "Minhas Histórias de São João da Barra", de Célio Aquino.
Imagem de Nossa Senhora da Penha.
São João da Barra tem uma tradição secular no que se refere à devoção e fé aos santos e santas que ocupam os altares das igrejas centenárias do município. Outras tradições como o Reisado das Pastorinhas, Procissão do Santíssimo, Semana Santa, também são bem concorridas, cada uma em seu devido período. As festas de Nossa Senhora da Penha, São Pedro, Santo Antônio, atraem milhares de devotos bem como São João Batista, padroeiro da cidade.
Neste intuito, diante de tanta história de fé e devoção, em que a tradição do turismo religioso vem perdurando ao longo de décadas e décadas, é que as jornalistas Carla Cardoso e Jacqueline Deolindo apresentaram algum tempo atrás uma bela dissertação sobe o tema, que vale a pena ser lida, com as orientações históricas do renomado poeta, romancista e ex- editor do Jornal São João da Barra, Carlos AA. de Sá, nosso grande amigo.
Veja a dissertação clicando em:

LEMBRANDO O DIA DO ÍNDIO, QUE DEVE SER TODO DIA

Sou Pataxó, sou Xavante e Cariri, Ianonami, sou Tupi Guarani, sou Carajá. Sou Pancararu, Carijó, Tupinajé, Potiguar, sou Caeté, Ful-ni-o, Tupinambá. Depois que os mares dividiram os continentes quis ver terras diferentes. Eu pensei: "vou procurar um mundo novo, lá depois do horizonte, levo a rede balançante pra no sol me espreguiçar". eu atraquei num porto muito seguro, céu azul, paz e ar puro... botei as pernas pro ar. Logo sonhei que estava no paraíso, onde nem era preciso dormir para se sonhar. Mas de repente me acordei com a surpresa: uma esquadra portuguesa veio na praia atracar. De grande-nau, um branco de barba escura, vestindo uma armadura me apontou pra me pegar. E assustado dei um pulo da rede, pressenti a fome, a sede, eu pensei: "vão me acabar". me levantei de borduna já na mão. Ai, senti no coração, o Brasil vai começar.
Antônio Nóbrega - Chegança

terça-feira, 21 de abril de 2009

LEMBRANÇA: TIRADENTES À MODA SANJOANENSE

TIRADENTES À MODA SANJOANENSE
Hoje, 21 de abril, todos homenageiam a bravura do Herói Tiradentes, o inconfidente. Muitos falaram de suas façanhas, de seu heroísmo, de sua bravura e de seus ideais libertários. Entre estes historiadores que fazem parte do rol de admiradores de Joaquim José da Silva Xavier - O Tiradentes, está o saudoso escritor sanjoanense JOÃO OSCAR DO AMARAL PINTO, falecido em 2006.
João Oscar, sem dúvidas, dedicou parte de sua vida ao estudo do idealismo e caminhos percorridos por Tiradentes no período da Inconfidência Mineira. O conhecimento de João Oscar sobre o assunto era tanto que ele foi convidado pela extinta TV Tupi a fazer parte, como protagonista, do programa televisivo de perguntas e respostas de J. Silvestre chamado "O Céu é o Limite".
João Oscar , de 10 etapas do programa, conseguiu chegar na penúltima fase, errando na última pergunta. Durante a exibição do programa, em 1973, os televisores preto e branco de São João da Barra ficavam cercados de amigos conterrâneos que torciam para o mesmo.
Muitos anos mais tarde, João Oscar que havia perdido na penúltima fase do programa de J. Silvestre, é agraciado com a maior Comenda do Estado do Rio de Janeiro, por serviços prestados aos trabalhos historiográficos fluminense. Recebe, pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro em grande solenidade, a "Medalha Comenda Tiradentes".
Como esse mundo dá voltas...
Conheça o Blog Pró-Memória João Oscar em http://www.poetasanjoanense.blogspot.com/

O CASO DA CACHOEIRA SÃO ROMÃO, DAS RUÍNAS DA PONTE VELHA, SANTA CATARINA DE AMO ENTRE OUTRAS

O Concurso Público que será realizado em São João da Barra, na área de saúde, tem gerado uma grande demanda para a corrida desenfreada às informações sobre conhecimentos gerais do município, uma vez que tais informações fazem parte da grade de matérias a serem estudadas em todos os cargos.
Na semana passada houve um certo tumulto na cidade quando descobriram em uma apostila vendida nas ruas, para o concurso em questão, que a "Cachoeira São Romão" e as "Ruínas da Ponte Velha" constavam como atrativos turísticos de São João da Barra. Oras, estas são de Barra de São João!.
Quantos não confundem por aí, em outras plagas, que o Porto do Açu será em Barra de São João e não em São João da Barra?. Já cansei de ouvir e corrigir os analfabetos funcionais que encontramos soltos pelas ruas de grandes centros e de outros estados até.
Lembro-me da Audiência Pública do Minerioduto e do próprio Porto do Açu, onde no EIA / RIMA apareciam a "Cachoeira São Romão" e as "Ruínas da Ponte Velha" e a região de "Quixadá" e não Quixaba, que é o certo . Pedi correção.
Tudo começou lá atrás quando a Turisrio fez confusão, colocando no seu site a aberração. A seguir veio a fundação CIDE que também ficou incursa no erro, depois foi a MMX, agora foi a FESPE. Que próxima instituição incorrerá no erro novamente ? Tão logo vi o edital do concurso, acessei o site, entrei no link da CIDE - 2006 e vi o erro. Enviei e-mail à FESPE pedindo retificação mas não fui respondido. Será que o povo de Barra de São João nos quer dar estes atrativos de graça? Que mandem no pacote o "Miro", apelido que dou, carinhosamente, ao poeta imortal Casimiro de Abreu.
Estou passado com outra situação. Vi numa apostila que estão vendendo por aí, que a Vila da Rainha era chamada também de "Santa Catarina de Amo" e em outro material era chamada de "Santa Catarina de Amoés". A coisa é feita para confundir ou para facilitar a vida do sujeito? Oras, o Escritor João Oscar, meu saudoso pai que escreveu a história de São João da Barra, é taxativo quando fala em sua obra "Apontamentos Para a História de São João da Barra" em "Santa Catarina das Mós". Porque "Mós"? Oras, "Mó" quer dizer moenda, pedra torneada em forma de círculo que servia para moer a cana-de-açúcar nas Capitanias Hereditárias, principalmente a de Pero de Góis (São Tomé ou Paraíba do Sul).
Portanto, fique atento ao que lê, pois tem gente que está escrevendo e chamando sanjoanense de "São Juanense" e por aí vai...

A TRADIÇÃO DA PASSEATA FLUVIAL ESTA COM OS DIAS CONTADOS

A maravilhosa festa da Penha que ocorre todos os anos em Atafona, no município de São João da Barra, conta com uma secular tradição em diversos aspectos. Um deles é a passeata fluvial no rio Paraíba do Sul que, segundo historiadores, remonta do período de 1622 em que Lourenço do Espírito Santo, pescador vindo de Cabo Frio, estabeleceu o primeiro núcleo de povoamento do Norte Fluminense, na barra do rio Paraíba do Sul.
Acontece que esta passeata fluvial, vem diminuindo o seu contingente de embarcações participantes a cada ano. O que pode estar acontecendo? Numa cidade em que o censo estatístico do Plano Diretor Municipal fez levantamento de 450 embarcações, 440 pescadores de rio e 930 de mar, onde está o restante dos menos de trinta barcos que se apresentaram na passeata? Falta o que para que a passeata volte a ter o brilho dos anos anteriores?
O Conselho Municipal de Cultura tem que debater o assunto juntamente com a Colônia de Pesca Z-2, a irmandade de Nossa Senhora da Penha e a Secretaria Municipal de Turismo para se buscar uma solução. A fé e o turismo estão em voga!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

O BLOG DISPONIBILIZA, PARA OS INTERNAUTAS, ALGUNS MAPAS DE SÃO JOÃO DA BARRA

VEM AÍ O III SALÃO ESTADUAL DE TURISMO, NA CIDADE DE PETRÓPOLIS - RJ

Acontecerá em Petrópolis, em 05 e 06 de junho de 2009, na bela cidade serrana de características imperiais, o III Salão Estadual de Turismo, no Hotel Vale Real. Participe das palestras, workshops, encontros turísticos e ainda desfrute das belezas naturais e históricas da serra petropolitana.
Para maiores informações, clique em http://www.riointertur.com.br/

ATENÇÃO - A CORRIDA PARA O CONCURSO DE SÃO JOÃO DA BARRA GANHA DIVULGAÇÃO NO SITE G1, DA GLOBO

CONCURSO PÚBLICO EM SÃO JOÃO DA BARRA
Nesta segunda-feira o site G1 divulgou uma série de concursos pelo Brasil e deu destaque ao de São João da Barra, que tem cargos que vão de R$600,00 à R$6.000,00. Quanto mais é divulgado o concurso, mais trará concorrentes de vários pontos do país. Por isso, amigo (a) sanjoanense, é melhor se preparar para o mesmo com mais afinco.
Veja a chamada do g1, clicando em: Concurso de São João da Barra.

EM COMEMORAÇÃO AO DIA DA TERRA, O BLOG TRAZ A HISTÓRIA DA CANA-DE-AÇÚCAR NO NORTE FLUMINENSE

No Próximo dia 22 de abril se comemora o dia mundial da terra e o dia do descobrimento do Brasil, em 1500. De lá pra cá muita coisa mudou, inclusive o plantio de cana-de-açúcar daquela época para os dias de hoje, principalmente com as mudanças tecnológicas. Sabe-se que São João da Barra já tem uma espécie de muda de cana-de-açúcar que foi desenvolvida em laboratório da UENF para servir unicamente ao nosso solo com alto índice de crescimento, adaptabilidade e produtividade. Esta cana chama-se "A sanjoanense", segundo o próprio Secretário Municipal de Agricultura de São João da Barra, Dr. Pedro Nilson. Portanto, vamos conhecer como esta espécie exótica chegou em São João da Barra e região e ainda é fonte de renda de muitos?
Clique na matéria de a Cana-de-açúcar no Norte Fluminense, de Paulo Paranhos.

22 DE ABRIL - O QUE HÁ DE SER COMEMORADO NO DIA MUNDIAL DA TERRA

(FOTO RETIRADA À PEDIDO DO AUTOR DA MESMA)
Dia Mundial da Terra luta pelo planeta há quase 40 anos
2009-04-20 O Dia Mundial da Terra teve a sua primeira edição no dia 22 de Abril de 1970, nos Estados Unidos, e, desde então, nunca mais cessou no seu projecto de celebrar a terra e renovar o compromisso global de construir um planeta cada vez mais seguro, saudável e limpo. Em 1990, o dia 22 de Abril foi adotado mundialmente como o Dia da Terra, dando um grande impulso aos esforços de reciclagem e de proteção do ambiente a nível mundial. Fundado pelo senador americano Gaylord Nelson, do Estado de Wisconsin, e organizado por Denis Hayes, advogado ambiental e presidente da Bullitt Foundation, uma fundação ambiental em Seattle, o Dia Mundial da Terra é um evento anual que promove a cidadania ambiental através da realização de variadas ações a nível local. Uma economia livre de carbono, baseada em energias renováveis, o compromisso individual com vista a um consumo responsável, e uma economia verde que proporcione a criação de empregos verdes são os seus princípios básicos. Luta mais atual do que nunca Apesar de estar quase a celebrar o seu 40º aniversário, nunca como agora o princípios se do Dia Mundial da Terra se revelaram tão prementes e atuais. Os gelos do Árctico recuaram de 6 a 7 por cento no Inverno e de 10 a 12 por cento no Verão, nos últimos 30 anos, indica um relatório apresentado pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUMA). Como consequência do aquecimento da atmosfera, a fusão dos gelos também acelerou as alterações climáticas, uma vez que a neve e o gelo reflectem 70 a 80 por cento da energia solar, enquanto a água a absorve. O Painel Internacional sobre Alterações Climáticas prevê um aumento da temperatura média do ar entre 0,8°C e 2,6°C em 2050, e entre 1,4°C e 5,8°C em 2100. Na Europa meridional este aumento será particularmente pronunciado no Verão. Por outro lado, os Invernos deverão tornar-se mais úmidos, com um aumento de precipitação de 1 a 4 por cento por década, enquanto os Verões deverão tornar-se mais secos, com uma redução de cerca de 5 por cento por década. Mas já hoje em dia, em várias regiões do planeta, existem comunidades inteiras que precisam de percorrer dois a três quilometros por dia para chegarem a uma fonte pública de água. Esta história de vida faz parte da realidade de 1,1 mil milhões de pessoas em todo o mundo que ainda não têm acesso a água potável. Consumo sustentável - precisa-se Por todas estas razões, o Dia Mundial da Terra luta por uma economia livre de carbono e por um consumo responsável. Considerando as tendências projetadas para os países desenvolvidos, o relatório «Talk the Walk – Advancing Sustainable Lifestyles through Marketing and Communications», elaborado pela consultora Utopies, pela UNEP (United Nations Environment Programme) e pela United Nations Global Compact, em Dezembro de 2005, alerta para a necessidade de se operar a «desconexão absoluta» com o estilo de vida actual, de modo a permitir uma redução do impacto ambiental, isto apesar dos aumentos globais de população e do consumo per capita. O consumo responsável consiste em ter em conta as repercussões sociais, econômicas e ambientais no momento de fazer diferentes opções de consumo. A ideia base que deve presidir a um consumo responsável é ter em conta o seu impacto, consumindo com consciência da proveniência, qualidade e condições da produção. A ideia é «consumir sem destruir», de forma ambientalmente sustentável a longo prazo.
Autor / Fonte: Sofia Vasconcelos

domingo, 19 de abril de 2009

ESTUDANTES DE JORNALISMO DA FAFIC FAZEM DOCUMENTÁRIO SOBRE A ONG COCIDAMA DE SÃO JOÃO DA BARRA POR SUA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Estudantes de Jornalismo da FAFIC realizaram, neste feriadão, uma série de entrevistas com membros da ONG COCIDAMA no propósito de se criar um documentário sobre a sua atuação responsável no município de São João da Barra e região.
A equipe da FAFIC composta por Vanessa, Myrian, Laila, Roberto e o câmera mam Armando, esteve presente na Chácara urbana de Andre Pinto, um dos membros da ONG e sentados abaixo de uma mangueira centenária, reunidos em uma grande mesa - tantas outras personalidades da região foram entrevistadas neste local como Gianino Sossai, Osório Peixoto, João Oscar, Paulo Paranhos , Nelson Rodrigues Filho e outros - deu-se a entrevista.
O que chamou a atenção dos entrevistadores é que identificaram nas propostas encaminhadas pela ONG COCIDAMA ao Plano Diretor Municipal de São João da Barra em 06/09/2006, que muitas delas vêm se concretizando a exemplo da criação da APA da CEHAB, da demarcação do Parque Ecológico de Grussaí/Iquipari, dos Portais turísticos, da Reserva Ecológica da Caroara, da implementação de Câmara Frigorífica na Assol para armazenamento da produção rural, de estufa modelo para mudas, da futura criação do parque eólico (em medida compensatória da LLX e MPX), o reordenamento da orla etc.
Andre Pinto disse da importância da ONG COCIDAMA para São João da Barra e região, pois muitas das propostas exigidas no momento das Audiências Públicas do Plano Diretor e também do Minerioduto e construção onshore e offshore do Porto estão sendo acatadas e outras estão à caminho. A cobrança tem que ser contínua e a sociedade tem que estar atenta às mudanças de cenário em todos os seus aspectos. A ONG ocupa cadeira no Conselho Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e também em outros conselhos como o de cultura, o de segurança alimentar, o de agricultura e do idoso.
A atuação da ONG COCIDAMA ecoa até na região serrana, pois tem parceria com outras ongs para encaminhamento de projetos de proteção à mata atlântica (floresta densa), que inclusive, por curiosidade, presume-se que a própria CBF tenha ocupado irregularmente no decorrer dos anos, segundo Andre Pinto. Também firmamos parceria com a ONG PIABANHA , de Itaocara no período de construção da hidrelétrica de Pomba e Cambuci, ao qual éramos contra.
O documentário será apresentado para os próximos meses no curso de Comunicação da FAFIC e será entregue uma cópia para os integrantes da ONG COCIDAMA, como agradecimento e colaboração com os estudos universitários.
Quem quiser conhecer as propostas feitas pela ONG COCIDAMA ao Plano Diretor Municipal de São João da Barra é só clicar aqui.

sábado, 18 de abril de 2009

UMA POESIA DE ANDRE PINTO À NOSSA SENHORA DA PENHA

Nossa Senhora da Penha, Do cume espanhol escarpado, Que a sua proteção me tenha! E perdoa-me o pecado! Penha que milagres fez, Que muitos devotos salvou, Em Portugal, sua fé ampliou, E as pragas, espantou de vez! Nossa Senhora da Penha, No Brasil, chega em Vila Velha, E na mata e morro se embrenha, É pura fé que se espelha. Vem a Penha de Irajá!, No Rio, é fé bem à tona!, Mas lugar bom para se orar, É mesmo a Penha de Atafona! Andre Pinto 18/04/09

CAFÉ LITERÁRIO SANJOANENSE REALIZADO COM FÉ, DEVOÇÃO À NOSSA SENHORA DA PENHA E COM HOMENAGEM À PREFEITA CARLA MACHADO

Nas comemorações da Festa da Penha, nesta noite de sexta-feira, 17/04, foi muito especial para todos os presentes ao Café literário realizado em Atafona. Com uma programação bastante diversificada, o salão de festas do santuário de Nossa Senhora da Penha, que fica atrás da igreja, ficou completamente lotado. Com uma decoração super especial, idealizada pela Diretora de Cultura Perila Rodrigues e sua equipe - pra lá de especial - as autoridades, visitantes e fiéis se acomodaram para assistirem aos eventos culturais que foram apresentados desde as 20 horas até 00 horas aproximadamente.
A Prefeita Carla Machado, célebre aniversariante da noite, demonstrava emoção com o evento e ficou ainda mais emotiva quando foi homenageada em lindas canções saídas da garganta dourada do cantor sanjoanense Charles Henrique e da medalha de Proteção de Nossa Senhora da Penha oferecida por Perila Rodrigues e comunidade atafonense.
Com poesias, danças, lançamento de livro, histórias sobre a origem de Nossa Senhora da Penha de França (da Europa ao Brasil), apresentações instrumentais, interpretações, cantores e cantoras locais e outras atividades, o evento teve seu ápice com a entrega de um bolo de aniversário feito pelas mãos da própria "Tia Perila" à Prefeita Carla, onde os convidados puderam saborear a delícia de confeite com o gosto ao tipo do "Manjar dos Deuses" e ainda dar um abraço de felicidade à aniversariante.
A programação da Festa continua até segunda-feira, com muitas atrações para os devotos, fiéis e turistas que desfrutam da fé de Nossa Senhora da Penha.

Iª CONFERÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA OCORRERÁ EM MAIO EM CAMPOS

Na foto: Pascoutto. Crédito da foto : www.odiarionews.net / Roberto Joia- Secov - PMCG.
Representantes de instituições de segurança do município, como 8º Batalhão da Polícia Militar (BPM/Campos), Polícia Rodoviária Federal (PRF), entre outros, além de entidades civis organizadas e universidades, estiveram reunidos ontem, no auditório do Centro Executivo José Alves de Azevedo com o coordenador municipal de Segurança e Ordem Pública, Alcemir Pascoutto. O objetivo foi tomar ciência dos assuntos que serão discutidos na I Conferência Municipal de Segurança, que acontecerá nos dias 28 e 29 de maio, no Teatro Trianon.De acordo com Pascoutto, os representantes levaram o texto base, que deverá ser seguido na conferência, e o manual metodológico sobre a montagem da conferência. No dia 27 de abril, às 10h, no auditório da Associação Comercial e Industrial de Campos (ACIC), será realizada mais uma reunião preparatória, onde serão montados os eixos de discussão do evento de maio. Pascoutto lembra que ainda há tempo de outras entidades que quiserem participar da elaboração da conferência, devendo somente comparecer às reuniões para inscrição.A I Conferência Municipal de Segurança Pública será o primeiro passo de uma ampla discussão sobre o assunto. Depois, membros desta conferência participam da Conferência Estadual, finalizando com a Conferência Nacional, em data a ser anunciada. “As entidades e a sociedade em geral estão empenhadas em trabalhar para reverter a situação atual que passa o município, estado e o país”, ressaltou Pascoutto. Restauração de contatos com o Governo Federal por mais recursos No último dia 8, durante reunião em Campos com a participação de autoridades municipais e representantes de diversas entidades ligadas à área de Segurança Pública, quando foi apresentada a proposta de realização da I Conferência Municipal de Segurança Pública (Comsep). As propostas foram apresentadas por Pascoutto e pelo comandante da Guarda Civil Municipal, major F. Melo, como uma medida inicial para restaurar os contatos com o Governo Federal e propiciar a obtenção de recursos para o desenvolvimento de programas que levem à redução da violência no município.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

UPEA APRESENTA OFICINA DE ASTROFOTOGRAFIA NESTE SÁBADO 18/04/09

Foto:O UPEA tem o Observatório "Domingos Fernandes da Costa" - homenagem ao vulto cultural sanjoanense!
Oficina de Astrofotografia - Babak Tafreshi (2º Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica) - 14:00 às 19:00h – UPEA/IFF :Fotografia do Céu Noturno A arte da Astrofotografia de paisagem Métodos de fotografia com telescópio Processamento de Astro Imagens CURSO SOBRE ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS (8:00 às 12:00h) 1.Alimentos e alimentação animal 1.1. Nutrientes 1.2. Alimentos volumosos e concentrados 1.3. Mineralização do rebanho 1.4. Uso de subprodutos 2.Diferentes tipos raciais e exigências nutricionais 3.Alimentação de vacas de leite 3.1. Sistemas extensivos a pasto com suplementação 3.2. Sistemas intensivos com uso de concentrados 4.Alimentação de bovinos de corte 4.1. Sistemas extensivos a pasto com suplementação 4.2. Confinamento de gado de corte 5. Formulação de rações para gado de corte e leite 6. Visita ao confinamento da PESAGRO Campos * Transporte: Micro-ônibus sairá do Campus Campos Centro (antiga Sede do CEFET Campos) às 7:00h e as 13:30h. Vicente de Paulo Santos de Oliveira Professor de Ensino Tecnológico do IFF Pesquisador da Unidade de Pesquisa e Extensão Agro-Ambiental Engenheiro Agrimensor D. Sc. Engª Agrícola cel. (22) 9981-3925

quarta-feira, 15 de abril de 2009

PRÓ-COMITÊ DO BAIXO PARAÍBA DO SUL REALIZA PALESTRA PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Foto: Edson Fujita, ao centro da foto em encontro do Ceivap em Penedo - RJ. Fonte: www.ceivap.org.br
Uma importante PALESTRA, ministrada pelo Dr. Edson Fujita - Diretor da Agevap - Agência de Bacia do Ceivap, foi dada hoje pela manhã no Auditório da Casa Ecológica da UENF, com o Tema "Orientação de como conseguir recursos através do CEIVAP".
Durante a Palestra a Comissão Organizadora do Comitê, trouxe informações a respeito do DECRETO Nº 41.720 DE 03 DE MARÇO DE 2009 que INSTITUI O COMITÊ DA BACIA DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO BAIXO PARAÍBA DO SUL, NO ÂMBITO DO SISTEMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS, e também do Processo Eleitoral.
Com a presença dos representantes dos municípios do Baixo Paraíba do Sul (SJB e Campos), o Secretário Municipal de Meio Ambiente de São João da Barra, Marcos Sá, dos gestores do Comitê Zenilson Coutinho e Paulo Jorge e outros secretários como Paulo Feijó, além de diversos representantes usuários e de entidades civis, o evento teve o intuito de disseminar técnicas de como se conseguir angariar fundos, por intermédio do CEIVAP, para programas diversos como saneamento básico, reflorestamento, educação ambiental entre muitos outros.
"Existem verbas Federais e Estaduais que estão sendo devolvidas por falta de projetos", afirmou Dr. Edson Fujita. "Para se ter uma idéia, a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco tinha uma verba disponível de 5 bilhões e só usou 700 milhões e o restante foi devolvido para a união ,pois não tinha mais projetos básicos e de execução para serem apresentados", mencionou ainda Dr. Edson Fujita.
Dos 59 projetos que os componentes da Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul (Estado de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro) apresentaram nos últimos períodos, somente 01 foi acolhido, sendo que os outros não estavam em conformidade ou lhes faltavam doocumentação e uns até, absurdamente, asinaturas dos proponentes.
Andre Pinto, esteve na reunião representando a ONG COCIDAMA de São João da Barra e Marco Pacheco representou a equipe técnica da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São João da Barra. Ambos concordaram que o evento somou para que a região acorde para a união e cooperação, para que não seja tarde demais. O fator político regional tem que estar isento de vaidades e egocentrismos individualistas, frisou Andre Pinto.
Os próximos passos do Comitê do Baixo Paraíba do Sul é o de se fazer uma seleção de pessoal para ficar, única e exclusivamente, à disposição do Comitê para desenvolvimento dos trabalhos na região hidrográfica IX. Este blog aguarda o envio, pelo Comitê, do cronograma do processo seletivo de pessoal para breve divulgação aos interessados. Abre-se uma oportunidade aos que querem trabalhar com o tema e que deverá ser remunerado.
No término da reunião, Marcos Sá, que é Secretario Municipal de Meio Ambiente de São João da Barra, convidou o Dr. Edson Fujita e sua equipe para um encontro com a Prefeita Carla Machado na foz do rio Paraíba para tratar de assuntos ligados ao processo erosivo de Atafona, esgotamento, saneamento, cheias do paraíba, entre outros assuntos de interesse da gestão da Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul.

terça-feira, 14 de abril de 2009

AUMENTA O NÚMERO DE CURSOS SOBRE MEIO AMBIENTE EM MAIS DE 800%

O aumento nos últimos anos de uma consciência ambiental por parte de toda a sociedade tem trazido mudanças não apenas na forma de lidar com os desafios ligados à preservação do planeta e práticas de desenvolvimento sustentável, mas alterações profundas no universo educacional. De acordo com levantamento do Ministério da Educação (MEC) o número de cursos de graduação com foco na área de Meio Ambiente teve um crescimento de 822% desde 2000. Isso representou um salto de mil para mais de 10 mil alunos no mesmo período. As vagas também mantiveram a curva acentuada. Os dados mais recentes são de 2006 e mostram 8.377 vagas em universidades públicas e privadas no País. Para se ter uma idéia, em 2000, eram 732. Fernanda Wasner, coordenadora geral dos Programas de Mestrado e do curso de Gestão Ambiental do Centro Universitário UNA, explica que um dos fatores preponderantes para o crescimento é o cenário político e econômico mundial, focado na modernização tecnológica e gerencial, na abertura e competitividade de mercados, e, principalmente, no cumprimento das exigências legais e normativas necessárias à obtenção do certificado ISO 14000. Flávia Presoti

MPX, DO EIKE BATISTA, TERÁ QUE PLANTAR MUITAS ÁRVORES POR CAUSA DE TERMELÉTRICA

Foto: Pátio onde está sendo construída a Termelétrica de Pecem, pela MPX e EDP.
Foto: Porto de Pecem, no nordeste.
MPX E EDP TERÃO QUE PLANTAR MUITAS ÁRVORES POR CAUSA DE TERMELÉTRICA
Tem impacto direto no projeto da Usina Termelétrica do Pecém, da EDP e MPX. A decisão do Ministério do Meio Ambiente de obrigar as usinas termelétricas movidas a carvão e óleo a plantar árvores para compensar a emissão de dióxido de carbono (CO2), durante a geração de energia elétrica já está valendo. A UTE Pecém, hoje com obras a pleno vapor, usará carvão. Aliás, a principal preocupação dos executivos da Porto do Pecém Geração de Energia é demonstrar o quão minimizado será o impacto da termelétrica.
Nas contas do ministro Carlos Minc, uma usina com capacidade para produzir 100 MW de energia (o que abasteceria uma cidade de 200 mil habitantes) terá de plantar cerca de 600 mil árvores em 3 mil hectares. Isso se funcionar três meses por ano. A obrigatoriedade passaria a valer a partir da renovação da licença ambiental da usina. Minc já havia implantado a medida quando no Rio era secretário do Meio Ambiente do Estado.
O Brasil tem hoje 1.242 usinas termelétricas. Apenas uma pequena parte, cerca de 70, é movida a óleo e carvão e se enquadra no perfil das novas regras, por terem capacidade de produzir mais de 100 MW de energia. O Governo calcula que pelo menos um terço do dióxido de carbono emitido deverá ser abatido com a plantação das árvores.
VILÕES E MOCINHOS
O ministro Minc diz que uma das intenções do Programa de Mitigação das Emissões de CO2 é incentivar o uso das energias renováveis. Na pauta do Ministério está também redução da carga tributária sobre a energia eólica e solar. É bom ver o Governo agindo em defesa das fontes renováveis de energia.
O País, e em especial o Ceará, possui um potencial ainda bastante inexplorado nestas duas matrizes. São limpas, de baixo impacto ambiental e constantes. Em todo caso, há de haver parcimônia no discurso. Cada uma delas possui um papel importante. O País foi negligente na diversificação por muitos anos. Acomodou-se na até então na abundante oferta hidrelétrica e pagou o preço do apagão. A tranquilidade virá do uso racional dos potenciais. Diversos. A propósito: o nível de armazenamento nas hidrelétricas hoje no Nordeste é de 90,7%, numa alta de 0,6%. O índice está 45,1% acima da chamada curva de aversão ao risco, a curva da preocupação nos gráficos de armazenamento. A hidrelétrica de Sobradinho opera com 89,32% da capacidade. Dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).
Fonte: O Povo on line.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

MINC QUER QUE TERMOELÉTRICAS E OUTRAS USINAS ANDEM NA LINHA COM SUAS EMISSÕES

O Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, explanou nesta segunda feira, 13, um pacote de medidas necessárias à redução de emissões de Co2 na atmosfera, para projetos de futuras termoelétricas no Brasil.
Segundo Minc, para o total de emissões de uma térmica, deverá ser compensado em 1/3 destas emissões em projetos mitigatórios para o meio ambiente, seja plantando árvores ou construindo parques eólicos, entre outras medidas ambientalmente corretas.
Em São João da Barra, a expectativa é de que a UTE do Açu, "amarrada" em diversas medidas compensatórias e mitigadoras, construa um mega parque eólico nas imediações da praia do Açu até Iquipari entre outras medidas. Vamos acompanhar de perto. Se a idéia que está no papel se concretizar...
Mesmo com a idéia da construção de torres eólicas - energia limpa - não esqueçamos que Açu e Iquipari fazem parte de rotas de pássaros migratórios, portanto, estudos científicos serão bem vindos!.

SURGE MAIS UM PORTO PARA EIKE BATISTA

Novo terminal portuário fluminense poderá ter financiamento do BNDES
Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro - A MMX Mineração e Metálicos, companhia do empresário Eike Batista, anunciou hoje (13) que sua subsidiária, a LLX Logística, obteve licença ambiental prévia para a construção do Porto Sudeste, no município fluminense de Itaguaí. O terminal terá capacidade para movimentar 50 milhões de toneladas anuais de minério de ferro. O Porto Sudeste será a principal via de exportação do minério de ferro produzido pela MMX, em Minas Gerais. No início deste mês, a empresa anunciou o enquadramento, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de pedido de financiamento de longo prazo para a obra, estimado em cerca de R$ 1,7 bilhão. Procurado pela Agência Brasil, o BNDES não comentou o pedido de empréstimo, por uma questão de sigilo bancário. Só quando se trata de aprovação ou contratação de financiamento, o banco se pronuncia, informou a assessoria de imprensa da instituição. A previsão é que o novo terminal portuário comece a operar no segundo semestre de 2011.

PORTOS ESTÃO GARANTIDOS, MESMO COM A CRISE - DIZ MINISTRO

Investimentos em portos não estão sendo afetados pela crise, garante ministro
Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil Brasília - O ministro da Secretaria Especial de Portos, Pedro Brito, garante que, apesar da crise financeira mundial, os investimentos para melhorias e ampliação de portos públicos e privados não estão sofrendo cortes. Segundo ele, do ponto de vista do governo, não há nenhuma paralisia e nenhuma retração de investimentos. “Do lado do governo, todo o volume de investimentos destinado à dragagem de R$ 1,5 bilhão está sendo mantido, todas as licitações estão sendo colocadas. E observo a mesma coisa em relação aos investimentos privados que estavam programados”, afirma. Brito admite, no entanto, que houve um encolhimento no volume transportado. Segundo ele, atualmente cerca de 400 navios de contêineres estão parados no mundo, o que representa 10% da capacidade total. “No transporte, haverá um impacto nos próximos anos. No investimento portuário não, porque estamos preparando esses portos para depois da crise, o investimento não é para hoje. E ele não pode parar sob pena de perder oportunidades”, avalia o ministro. Por outro lado, a Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP) avalia que houve uma redução de 20% na estimativa de investimentos no setor para os próximos cinco anos. Segundo o presidente da entidade, Wilen Manteli, no início do ano passado, a expectativa era de que fossem investidos R$ 20 bilhões em construção e ampliação de terminais portuários. Manteli diz que ainda não é possível analisar de quanto foi a redução no volume de cargas transportadas, nem no preço dos fretes. “Houve uma redução desde o último trimestre, mas estamos em uma montanha russa, os volumes estão oscilando muito”, disse. Em 2008, foram movimentadas 800 milhões de toneladas de cargas, o que significa um crescimento de 6,1% em relação ao ano anterior. O presidente da ABTP afirma que o preço dos fretes também caiu muito no fim do ano passado, mas que depois houve uma retomada. “Mas os preços ainda estão longe de ser como eram antes da crise”, acrescenta. Para Manteli, é preciso aumentar os investimentos em infra-estrutura para que o setor esteja preparado para quando os efeitos da crise forem amenizados. “Na hora em que a situação voltar ao normal, quem estiver preparado vai ter mais vantagens. Quem esperar a crise passar pode ser pego de surpresa”, avisa.

DEPOIS DE PORTOS, TERMELÉTRICAS, A REGIÃO NORTE FLUMINENSE PODERÁ TER UMA USINA NUCLEAR

Campos e Macaé poderão ter usinas nucleares, diz ministro Mais uma dor de cabeça para o incansável ambientalista Aristides Soffiati: o litoral que vai do norte fluminense ao sul do Espírito Santo foi selecionado por um grupo formado no ministério de Minas e Energia como sendo preferencial para a instalação, até 2030, de duas novas usinas nucleares.A informação foi publicada na edição deste domingo da Folha de São Paulo, que destacou as cidades de Campos e de Macaé no infográfico sobre o assunto.A matéria da repórter Marta Salomon, da sucursal de Brasília, registra opinião do ministro Edson Lobão, que integra o grupo que discute o Programa Nuclear Brasileiro: “Em primeiro lugar, é preciso água, água e muita água nas proximidades”.“O ministro citou como áreas preferenciais para instalação de usinas os municípios de Macaé e Campos, no norte fluminense, que já se destacam hoje pela exploração de petróleo”, disse a Folha.Outras duas usinas são previstas para o Nordeste, e a região selecionada é a que vai de Salvador ao Recife. Postado por Vitor Menezes

domingo, 12 de abril de 2009

RUA DOS PASSOS SOFREU AVARIAS COM VADIAGEM NO SÁBADO DE ALELUIA

Por volta da meia noite do sábado de aleluia, um rapaz moreno, com mochilas nas costas e aparentando estar brigando com sua "namorada", teve um acesso de fúria e saiu arrancando as lixeiras verdes colocadas nos postes e começou a jogá-las no meio da rua dos Passos. Não contente com esta ação idiota, o alucinado ainda quebrou o orelhão em frente à uma residência, foi adiante e jogou a lixeira da união no terreno do amigo Américo da Borracharia e ainda quebrou uma linda árvore da residência dos pais de Matheus Gaia. Mais adiante, o alucinado ainda jogou outra lixeira na rua, nas proximidades da casa do amigo Odyr do puxa-puxa. Não parece ser gente de nossa terra. Ele deve pensar que é Judas, no mínimo, para tanta revolta!!!

sábado, 11 de abril de 2009

TV APARECIDA COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL NESTE FERIADO DE PÁSCOA

A TV Aparecida, que é captada com sinal pela parabólica está dando um show neste feriadão de Páscoa!
Sendo uma TV da família cristã, sempre apresenta filmes e documentários muito interessantes. Ontem foi a história de Jesus, desde seu nascimento até a sua ressureição. Uma mega produção filmada em locais que remontam à época de Cristo mesmo. Um delírio de imagens! Excelentes atores, diretores, enfim, completíssimo!
Hoje será a vez de Madre Teresa e a sua ajuda aos necessitados, também uma mega produção que será mostrada pela TV Aparecida. Imperdível. Taí a minha dica cultural e religiosa para este final de semana santificado. Boa Páscoa à todos

UMA MENSAGEM DE PÁSCOA DIFERENTE

Paradoxo do Nosso Tempo / George Carlin
Nós bebemos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e raramente estamos com Deus.
Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio. Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.
Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos. Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.
Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos. Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.
Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'. Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.
Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.
Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre.
Lembre-se dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.
Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame... se ame muito.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro. Por isso, valorize sua familia e as pessoas que estão ao seu lado, sempre.
FELIZ PÁSCOA À TODOS OS AMIGOS DO BLOG DE ANDRE PINTO!!!

sexta-feira, 10 de abril de 2009

CRIADOS OS SITES SOBRE O CARNAVAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES

Como a realização do carnaval de Campos dos Goytacazes será entre os dias 30 de abril e 03 de maio de 2009, fato inédito na região, muitas pessoas estão na expectativa do que vai ser apresentado na avenida do samba da terra do petróleo, cana-de-açúcar, das universidades, do turismo e de pessoas bonitas.
Com este intuito,Marcelo Sampaio acaba de criar um site que promete estourar o índice de visitações na net. Achei muito legal esta iniciativa e dou meus parabéns para este idealizador visionário.
Bem que São João da Barra poderia criar um blog ou site mesmo, para se fazer um museu virtual contando a história de nosso carnaval, fatos curiosos, a história dos blocos e Escolas de Samba, saudosos carnavalescos, carros alegóricos que marcaram época etc , pois sabemos que existem várias pessoas que têm arquivos fotográficos maravilhosos na terra de Narcisa Amália. Eu já me ofereço para ajudar na empreitada e é só montar a equipe, pois a idéia está lançada. Ademais, em tempos de reuso e reciclagem, de forma ecologicamente correta, as fantasias são desmontadas logo após o carnaval para darem criação à outras peças. Nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma, como dizia Lavoisier...
Visite então o maravilhoso site do carnaval campista em
OUTRO SITE CONTA A HISTÓRIA DO CARNAVAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES
O Blog
http://www.carnavalcampos2009sintesehistorica.blogspot.com/ está disponível para acessos do público em geral e foi idealizado com muita competência. Para quem não conhece a sua história, aí vai a matéria extraída deste interessante blog:
"Em Campos dos Goytacazes, apesar do Monitor Campista ter sido fundado em 1834, os registros sobre o carnaval campista naquela época são raros, embora exista a evidência de que os aristocratas rurais, também, “realizavam suas festas carnavalescas” nas casas grandes de suas fazendas e engenhos, a exemplo dos que ocorriam no Rio de Janeiro, como os bailes, em 1825, nas mansões da Marquesa de Belas, dos Carneiro Leão, dos Carvalho e Mello e do Barão do Rio Seco, além de outras famílias abastardas...
Horácio Souza (op. cit.), depois de explicar a história de que Campos tinha o “segundo melhor carnaval do Brasil”, aclarando ter sido uma alusão feita por um tal de Guilherme Ribeiro, também chamado de “Lord Sogua”, ex-chefe dos Democráticos, do Rio de Janeiro, mas somente com relação “ao fulgor dos seus préstitos”, registra:“Realmente, desde muitos anos, Campos conta com clubes valorosos, que primam pelo luxo e arte, com que plasmam as idéias nas pomposas alegorias, extasiando o grande público com as magníficas concepções – tanto é a conjugação dos esforços dos que sustentam antiqüíssimas sociedades, como a do Macarronis (fundada em 1870), “Tenentes de Plutão” (13 de janeiro de 1884) e “Indianos Goytacaz” (6 de agosto de 1896).
“Em tempos idos, esplêndidos carnavais, (sic) assistimos e assim é que bem nos lembramos de “Club Neptuno”, cujos carros sempre nos apresentavam as coisas da mitologia criada pelos gregos em relação à marinha, - eram soberbas estruturas prenhes de fulgências. Outros clubes têm existidos e desaparecidos no decorrer dos tempos, - os “Democráticos”, em 1882 e, em 1883, os “Caboclos Negros”, o “Club da Concha” do Raul Cardoso, os “Aventureiros” e os “Voluntários”.
O escritor mergulha no passado para falar dos clubes antigos, registrando que, em 1857, “os campistas passaram a construir préstitos carnavalescos, a pé, a cavalo ou em carrinhos” e que a primeira associação teve o nome de Sociedade Congresso Carnavalesco, promotor de bailes na sua sede à rua do Sacramento. E narra, sem antes falar de outras sociedades carnavalescas, como a “Sociedade Commercial e Artística” (1870), “Club Carnavalesco Bamboche” (1871) e o “Club Estréa Campista” (1872):“Em 1858, o préstito teve muita música, um carro forrado de parras e panos, à moda das antigas saturnais. A comitiva, com máscaras, seguia em carrinhos ou a cavalo, levando cada um o seu bouquet com o que se ia brindando as damas...”Como sempre não faltavam rivalidades entre os que se chamavam na época de grandes sociedades carnavalescas. Souza (op. cit.) descreve, ligeiramente, a célebre “Noite das Garrafadas”, em 21 de fevereiro de 1887, decorrente de uma briga entre as sociedades Macarroni e Plutão:“Era segunda-feira de carnaval e como andava acesa a rivalidade dos dois clubes, os “Macarroni” (sic) fizeram uma passeata contendo uma crítica de enterro do clube adversário, indo até a porta da sede dos “Plutões”, na rua do Sacramento nº 10 (sobrado que fazia esquadria com a rua do Mafra)[1], sendo o préstito “macarrônico” recebido à garrafas (sic) que eram atiradas do alto, da sede “plutônica”. Houve tiros, pânico, correrias, seis pessoas feridas, tentativa de incêndio no barracão dos “plutões”, uma batalha cruel, bem diferente das batalhas carnavalescas de agora, em que “Macarroni” e “Plutões” (sic) combatem no campo da graça, da sátira fina, do gosto apurado”.Outro caso havia com os “Plutões’ e, que teve muita repercussão, em fevereiro de 1891, foi o da crítica do “São Jacob”. O fato deu-se por ter o delegado Affonso Osório (sic), proibido a saída de um carro em que havia uma figura designada S. Jacob, alusão ao Governador Portella, à quem (sic) a polícia dera tal apelido. O Club deixou de sair e expôs o carro ao público, no barracão”.
Curiosamente, não há registro sobre o fim do entrudo no Rio de Janeiro. A manifestação parece ter sumido do mapa com um edital do Desembargador Siqueira, em 1853, proibindo este tipo de brincadeira. No livro Memória do Carnaval existe a citação, muito lacônica, dando conta de que, “de fato, se consegue, pela primeira vez evitar sua realização (do entrudo)”.
Se por um lado o entrudo sumiu do palco das realizações carnavalescas do Rio, há indícios de que continuou firme em outras cidades. Em Campos, sua morte é anunciada, por Souza, da seguinte forma:“O carnaval campista de outrora não tem semelhança, afora os préstitos dos clubes, com os carnavais hodiernos. Não se vê mais o entrudo com seus “limões de cheiro”, seringas e bisnagas, pois os últimos anúncios do Vieira Bellido acerca da venda de cera e formas para os tais “limões” foi publicado em 1892... Não quer isto dizer que desaparecessem desde logo os limões e bisnagas. Só em 1896, com a entrada em Campos dos confetes e serpentinas[2], introduzidos pelo Arthur Rockert, foi que o entrudo agonizou”.Na descrição dos principais acontecimentos do primeiro centenário da cidade (1835-1935), Souza (op. cit.) não registra o surgimento dos cordões carnavalescos, blocos e ranchos e nem os jornais da época deram qualquer nota sobre o assunto. Não resta dúvida de que as grandes sociedades carnavalescas eram dirigidas por figuras expressivas da sociedade, como usineiros, fazendeiros, grandes comerciantes, industriais, enquanto que os chamados “cordões de índios” concentravam a massa de operários e pessoas oriundas dos mais baixos extratos sociais, não merecendo, por isso, notícias de seus desfiles, a não ser em funções da prática de violência exacerbada por causa da competição entre estes grupos.(...)Sobre os famosos blocos de escudos que, com os cordões carnavalescos, fizeram parte do carnaval das décadas de 20 a 50, aproximadamente, o escritor salienta que os primeiros, sem o objetivo de disputar títulos na avenida eram “grupos de rapazes que se uniam para promover a diversão”. São citados os “Bumba Meu Boi”, “Os Fiteiros” e o “Família Conchambrança”, como as primeiras manifestações. (...) Porém, na primeira metade dos anos 60, ainda havia desfile desses blocos e de ranchos, reunidos em torno da Federação Campista das Pequenas Sociedades Carnavalescas, fundada por Rodoval Bastos Tavares e Aurino Barroso, mas, anos mais tarde, presidida, vitaliciamente, por José Sartro Costa, o J. Costa. Mas são inúmeros os blocos, começando pelo “Felisminda Minha Nega”[3], e seguindo uma longa lista, na qual constam os “Pega Veado”, “Quem Sabe Não Diz”, “Apaixonado das Morenas”, “Apaixonados do Norte”, “Canção das Morenas”, “Prazer das Morenas”, (de Antero dos Santos)[4], e o “Deixa Que Eu Chuto”, bloco este envolvendo carnavalescos como Carlos Moreira, Antonio Clementino, Altamir Bóia, Moacir Correa, Antonio 1600, Zazau, Hermes Lima, Ailton Pacheco, Roberto Moreira, Reinaldo Moço e o porta-bandeira Oswaldinho. (...)O tempo dos malandros cariocas, vestidos sempre de branco, chapéu de chile à cabeça e que faziam ponto no Largo da Lapa de tantas histórias e tradições, de “Miguelzinho Camisa Preta” e da “Madame Satã”, influenciou a criação das batucadas de Campos dos Goytacazes, no início do século XX, coincidente com o surgimento dos primeiros núcleos habitacionais decorrentes do crescimento horizontal da cidade, por força, principalmente, das migrações ocorridas, no sentido campo/cidade, após a abolição da escravatura.
Históricamente são considerados os primeiros batuqueiros Tio Godô, Joaquim Beiçola (leão-de-chácara da Casa da Esmeralda), Batista Sapateiro, Moacir Guarda, Antonio Pereira, o Quibanda e o famoso Serafim Ferreira, o popularíssimo Sarafa. E, segundo, Jorge Chinês, “as batucadas surgiram sempre após o regresso de alguns malandros do Rio de Janeiro” e a atividade era de risco, porque, como acontecia na capital federal, a polícia baixava o pau nos negros que cultivavam o samba, em sua forma mais original, com instrumentos artesanais: tamborins com caixas de madeira e couro de gato esticado; o surdo era um tamborete e o repinique uma pequena caixa de boca pequena destinada a produzir um som mais grave. O resto, frigideiras, pratos de banda de música, pandeiros e outros oriundos das capoeiras e das jongadas, como os agogôs, candongueiros e chocalhos...
A batucada como cultura produzida pelos negros, principalmente depois da abolição da escravatura, ganha notoriedade no desenvolvimento centro-urbano, dos anos 30 (...) Como os desfiles não eram organizados, as brigas ocupavam o palco das folias, o que desestimulava o carnaval de rua para as classes dominantes e seus lídimos representantes desfilavam em cima dos carros durante o corso ou nas grandes sociedades carnavalescas. A partir de determinada hora, porém, o carnaval dos ricos se transferia para os bailes nos salões do Automóvel Club Fluminense, Saldanha da Gama, Rio Branco e Campista, mas havia bailes medianos na Lyra de Apolo, Macarroni, Guarany, Operários Campista, Conspiradora, Itatiaia, Plutão, Futurista FC, além de outros avulsos”... (...)
Depois do fim do conflito mundial, as batucadas vão desaparecendo e surgindo as escolas de samba, nos mesmos moldes do que vinha acontecendo no Rio de Janeiro, a partir da criação da União Geral das Escolas de Samba do Brasil, cuja fundação ocorreu em 15 de janeiro de 1933.
(...)Os anos 60 são tidos como os melhores do carnaval de Campos. Chinês considera ter sido a década de ouro do samba. Naquele ano a "Mocidade Louca", responsável pela modernização dos desfiles e quem introduz pessoas da classe média em suas alas, desfila em 1959, oficialmente, pela primeira vez. Foram à avenida "Sorriso do Norte", "Madureira do Turfe", "Amigos da Farra", "Mocidade Louca", "Unidos da Coroa" e "União da Esperança". A Mocidade ganhou sete anos consecutivos e só perdeu a hegemonia com o fabuloso desfile do GRES Unidos de Cambaíba, em 1967 e, depois, com o crescimento vertiginoso da União da Esperança, sua maior rival durante mais de 20 anos de carnaval. (...)
Bem, se vocês desejam conhecer melhor esse texto, irão encontrá-lo no livro "Muata Calombo - consciência e destruição - O olhar da imprensa sobre a cultura popular da região açucareira de Campos dos Goytacazes", de autoria do Professor e Mestre, Orávio de Campos Soares. O livro encontra-se a venda na recepção da Faculdade de Filosofia de Campos.
[1] O Clube Tenentes de Plutão, era sediada à avenida 15 de Novembro, 35. Com o fim dos desfiles das grandes sociedades, nos anos 50, a entidade, que tinha outras atividades culturais, como o teatro, fez um convênio, em 1965, com a Associação Regional de Teatro Amador – ARTA -, na presidência do jornalista Fernando José Gomes; e a Prefeitura Municipal de Campos, transformando o prédio no atual Teatro de Bolso, anos mais tarde, irregularmente, transferido para a municipalidade, que o administra até hoje.
[2] No Rio de Janeiro, em 1892, portanto quatro anos antes, registrou-se o surgimento do confete e da serpentina como as grandes novidades nas passeatas préstitos e cordões.
[3] A Felisminda Minha Nega, entidade ainda existente, mas que já não desfila há mais de 40 anos, fundada na casa de sinhá Rosa, na rua Dr. Ultra, quase defronte a atual sede do Bloco “Os Psicodélicos”, teve como primeiro diretores Percílio Oliveira, Manuel dos Santos, Alcebíades Pinto, José Rosa, Floriano Alves, José Manequim, Alceusinho, Amadeu Chácar (Pai), Piqui, Euclides, Antonio Sardinha e Aurino Barroso (Jorge da Paz Almeida, op. cit.).
[4] Antero era da Felisminda. Ele se zangou com a diretoria e arrastou, com ele, Zilá Fonseca, Otacílio Freitas, Claudionor Rosa, Geraldo Neves, Eugênio Tamanqueira, Reinaldo Moço, Aristóteles Eiras e Domingos Ferreira, fundando o “Prazer das Morenas”, surgindo, em decorrência, uma grande rivalidade entre os dois blocos."

quinta-feira, 9 de abril de 2009

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES VISITA E MONITORA RESERVATÓRIOS DA CATAGUASES

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Michelle Mayrink – Tel.: (22) 8124-8389 Data: 08/04/2009
Meio Ambiente vai continuar o monitoramento ambiental em Cataguases
Vistoriar a estrutura das barragens dos reservatórios e coletar amostras de água foram os objetivos da equipe técnica da Secretaria Municipal de Meio Ambiente na viagem a Cataguases (MG), terça-feira, dia 7. “A represa aparentemente está em condições seguras e o nível do reservatório está baixo, mas vamos continuar fazendo as vistorias, num trabalho de monitoramento ambiental”, enfatiza o secretário Paulo Feijó. Foram visitados dois reservatórios de lixívia negra (rejeito da produção de celulose, uma solução à base de carbonato de sódio usada no cozimento da madeira) situados na indústria Florestal Cataguazes, entre eles o que se rompeu em março de 2003, liberando 1,4 bilhão de lixívia, provocando o acidente ambiental de grandes proporções. O grupo do Meio Ambiente foi acompanhado da pesquisadora Marina Suzuki, do Laboratório de Ciências Ambientais da Uenf; e do vereador Rogério Mattoso, presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara. Com apoio da pesquisadora da Uenf, foi feita a coleta da lixívia do reservatório e a avaliação no próprio local, obtendo como resultado 9.5 de PH, segundo ela, índice bem menor do que o verificado na época do acidente. — Gostaríamos de coletar também amostras de água do córrego do Cágado e do rio Pomba, que deságuam no Paraíba, mas em função das chuvas ocorridas recentemente, com volume de 70 mml, se houvesse qualquer contaminação por lixívia nós não teríamos idéia da concentração original porque teria sido diluída. E também não verificamos indícios de que houve despejo recente em função do baixo volume do reservatório — explicou Carlos Ronald Macabu Arêas, diretor de Planejamento Ambiental da secretaria. Este monitoramento da secretaria vai continuar, garante Feijó, que apontou a importância de fazer a avaliação no local para que a secretaria possa definir medidas a serem tomadas. “Apesar da aparente tranqüilidade da situação, faremos contato com os órgãos ambientais para trocarmos informações e continuarmos atentos”, finalizou o secretário. O ACIDENTE — No dia 29 de março de 2003, a barragem de um reservatório situado na Florestal Cataguazes, em Cataguases (MG), rompeu-se, liberando nos rios Pomba e Paraíba do Sul cerca de 1,4 bilhão de litros de lixívia. O acidente provocou prejuízos ao ecossistema e à população ribeirinha, e comprometeu e suspendeu o abastecimento de água em cidades dos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, onde milhares de peixes e lagostas apareceram boiando, vítimas da intoxicação. Mais de 600 mil pessoas ficaram sem abastecimento de água por causa do vazamento.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

CAFÉ LITERÁRIO CONTA A HISTÓRIA DA ORIGEM DA NOSSA SENHORA DA PENHA DE FRANÇA

Dentro da programação do Café Literário, que fará parte nas comemorações da festa de Nossa Senhora da Penha, na próxima semana, haverá a palestra sobre "A História da Origem do Santuário de Nossa Senhora da Penha" contada por Andre Pinto, que é membro do Conselho Municipal de Cultura ocupando a cadeira de "Patrimônios Culturais", além de ser Guia em Turismo Regional pela Tutrisrio, professor de Gestão Ambiental e funcionário da Secretaria Municipal de Meio Ambiente em São João da Barra.
O convite foi irrecusável, pois a Diretora do Centro Cultural Narcisa Amália, Perila Rodrigues, solicitou ao Andre Pinto, que gosta do tema, que na apresentação fossem evidenciados aspectos culturais, históricos, paisagísticos, curiosidades, lendas e milagres da Santa.
Andre prepara o material e promete que a apresentação em telão será muito interessante, com imagens muito contemplativas e cheias de mistérios...
O evento será na sexta-feira que vem, a partir das 20 horas, no predio dos fundos da Igreja de Nossa Senhora da Penha.
Breve histórico de Andre Pinto
Andre Pinto já participou como palestrante em diversos eventos, entre eles o Fórum Social Mundial Expandido (Atafona), Semana de Integração da Educação e Sustentabilidade em SJB e no Fórum de Qualificação Profissional da FAFIC, entre outros.

A ANGLO AMERICAN FAZ COMUNICAÇÃO SOCIAL CRESCER NA ÁREA DO MEGA EMPREENDIMENTO DO MINERIODUTO E PORTO DO AÇU

Acabo de receber em minha casa, pelos correios, a Revista Diálogo, uma produção de comunicação social do grupo Anglo American que executa as obras do minerioduto e porto. Trata-se do n.º 03 que engloba os meses de março e abril de 2009.
A publicação demonstra a responsabilidade sócio-ambiental dos empreendedores envolvidos neste mega projeto que vem prometendo mudar a região. Também presta contas sobre as obras do minerioduto e das obras offshore (pier) que estão sendo construídos no Açu, em São João da Barra.
Um destaque especial é dado para a proteção das tartarugas caretta caretta em nossa costa, através da empresa Nekton e também da construção, em breve, do Terminal pesqueiro de Atafona.
O Porto do Açu, que vai escoar a produção transportada pelo minerioduto, avança sobre o litoral de São João da Barra, no Norte Fluminense. A implantação começou em setembro de 2007. Cerca de 520 metros de estrutura offshore (sobre o mar) estão prontos, além de outros 500 metros erguidos em terra. No total, a ponte de acesso aos pieres terá 2.900 metros de comprimento e 26,5 metros de largura.
Considerada a maior obra portuária em execução no Brasil, o complexo do Açu emprega cerca de 1.500 colaboradores; 47% da região. Atualmente, 18 empresas estão contratadas para atuar na execução, fiscalização e gerenciamento de obras.
Destaque especial ao talento sanjoanense
Além dos inúmeros trabalhadores sanjoanenses no campo administrativo e operacional do Porto do Açu, destaco aqui a foto de capa da Revista Diálogo que estampou uma imagem impressionante dos avanços da construção do píer do Porto do Açu e na mesma foto o caminho das tartarugas cabeçudas para o mar, captadas pelas lentes mágicas do competente fotógrafo e futuro designer gráfico sanjoanense Luan Abreu.

Foto : Luan Abreu em descontração total. (foto de seu site de relacionamentos).

Todos nós, que conhecemos e convivemos com Luan Abreu, sabemos do seu potencial artístico, comunicativo e agora paisagístico. Tudo deve-se ao fato do menino ser talentoso e profissionalíssimo, sendo proveniente de excelente família, filho do querido Jorge e Márcinha de "Dona Delma". Esperamos em breve que Luan possa nos apresentar uma exposição de seus maravilhosos trabalhos, o que vem a dar crédito do talento sanjoanense junto à empresa Tela viva, do amigo Guto Gomes.

PROVA SOBRE AMBIENTE REPROVA 1/3 DE ALUNOS BRASILEIROS

Prova sobre ambiente reprova 1/3 dos alunos brasileiros 8/4/2009
Mais de um terço dos alunos brasileiros têm nível mínimo de conhecimento sobre questões ambientais. Entre 57 nações comparadas, só três (Catar, Quirguistão e Azerbaijão) obtiveram resultados piores.
Essas são as conclusões de um estudo divulgado na última terça-feira (31) pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que, de três em três anos, organiza o Pisa, exame internacional que compara o desempenho de jovens de 15 anos em leitura, matemática e ciências.
O último exame, aplicado em 2006, teve como foco principal o aprendizado de ciências. O estudo mais recente selecionou, dessa prova, apenas as questões relacionadas à preservação do ambiente, como consequências do aquecimento global, poluição, fontes de energia alternativas, entre outras.
No Brasil, 37% dos estudantes ficaram abaixo do nível mais baixo de conhecimento sobre essas questões e apenas 5% ficaram na escala máxima. A Finlândia, país com melhor desempenho, teve 6% dos estudantes abaixo do menor nível e 25% no maior.
A média dos países da OCDE (entidade que reúne principalmente as nações desenvolvidas da Europa, América do Norte e Ásia) é de 16% dos estudantes abaixo do menor nível da escala e 19% no topo. O estudo destaca a importância de preparar os jovens em conhecimentos para lidar com os desafios ambientais.
Uma constatação positiva do trabalho é que a maioria dos estudantes em quase todos os países e níveis de renda, inclusive no Brasil, se mostraram preocupados e conscientes de que é preciso agir.
Para 97% dos jovens brasileiros, por exemplo, a poluição do ar é um tema que exige séria preocupação da sociedade. Só 21% deles se mostraram otimistas com relação à possibilidade de melhoria nos próximos 20 anos, caso nada seja feito.
O desafio, diz o relatório, é dar aos alunos conhecimentos e habilidades para entenderem melhor as questões ambientais.
Um exemplo citado pela OCDE é o fato de que mais de 90% dos alunos que fizeram o exame em 2006 disseram estar familiarizados com o tema da poluição do ar. No entanto, numa questão sobre a chuva ácida, quando questionados a citar uma fonte de poluição -como emissões de gases por carros ou fábricas- metade não foi capaz de dar uma resposta correta.
Para Marta Feijó Barroso, professora do Instituto de Física da UFRJ e autora de estudos sobre o ensino de ciências no Brasil, é preciso investir mais na formação de professores, que, disse, é um das principais características dos países bem avaliados, como a Finlândia.
"Os estudantes falam muito sobre ambiente, mas sabem pouco a respeito. Para isso, é fundamental preparar melhor os professores. Malformado e sem segurança para trabalhar questões complexas e que envolvem o conhecimento interdisciplinar, a tendência é esse profissional adotar a lei do menor esforço e priorizar o discurso político, sem se aprofundar no conhecimento", disse.
Para ela, sem isso, de pouco adiantará introduzir questões no currículo ou cobrar dos professores melhores resultados em avaliações externas. Na última versão do exame, de 2006, os estudantes brasileiros ficaram nas últimas colocações nos rankings de ciências, leitura e matemática. Fonte: Folha Online / REBIA Nacional.