sábado, 2 de janeiro de 2010

AROEIRAS DE SÃO JOÃO DA BARRA - TEM HISTÓRIA, TEM GOSTO E TAMBÉM CURAM

Imagem: Aroeira. Fonte da foto: www.mudasnativasflorestais.com/mudas%20nativa...
HOMENAGEM À AROEIRA de SÃO JOÃO DA BARRA Quantas vezes ouvi alguns produtores rurais daqui de São João da Barra reclamarem que a Aroeira é uma praga para as propriedades deles. Eles a tratam como "baga". Quantas vezes eu vi moradores do 5º Distrito recolherem nos período de maio a junho as sementes da aroeira e venderem para atravessadores do Espírito Santo, que por sua vez, exportavam a aroeira para a Europa a peso de ouro. Quantas vezes, esses mesmos atravessadores, foram presos pelo excelente trabalho de inteligência da 3ª Companhia do Batalhão Florestal de Campos dos Goytacazes. Por estes motivos, neste ano de 2010, começo minha homenagem da flora, chamando a a atenção de todos para a proteção da AROEIRA, uma espécie ainda abundante em territótio sanjoanense e que precisa ser preservada! Para se ter uma idéia, até as Missões Jesuíticas utilizavam a aroeira para se fazerem os famosos "Bálsamos das Missões". A planta é sagrada, gente! As sementes da planta atraem pássaros, servem para temperos e suas folhas e cascas servem como remédios medicinais.Há estudos que indicam que seu poder terapêutico está combatendo males do câncer. Vamos então ver o que ela nos oferece: Nome popular AROEIRA Nome científico Schinus molle L. Família Anacardiáceas Sinonímia popular Aroeira vermelha, aroeira mansa, corneíba Parte usada Cascas , folíolos, sementes, frutos, óleo resinos Propriedades terapêuticas Anti-diarréica, antileucorréica, adstringente, balsâmica, diurética, emenagoga, purgativa, estomáquica, tônica, vulnerária, antiinflamatória, fungicida e bactericida Princípios ativos Óleo essencial: rico em mono e sesquiterpenos. Taninos, Resinas, Alcalóides, Flavonóides, Saponinas esteroidais, Esteróides, Triterpenos, cis-sabinol, p-cimeno, limoneno, simiarinol, alfa e beta pineno, delta-caroteno, alfa e beta felandeno, terechutona Indicações terapêuticas Azia, gastrite, febre, cistite, uretrite, diarréia, blenorragia, tosse, bronquite, reumatismo, íngua, dor-de-dente, gota, ciática

Nome popular para Schinus terebinthifolia

Aroeira brasileira, Aroeira vermelha, Aroeira mansa, Cabuy, Cambuy, Fruto-de-sabiá, Aguaraíba, Aroeira da praia, Aroeira do brejo, Aroeira-pimenteira, Bálsamo , Corneíba, Aroeira do Paraná, Aroeira do sertão,

Nome em outros idiomas

Lentisco: Espanhol Lentisque, poivrier d´Amerique, poivrier du Perou: Francês Califórnia peper tree : Inglês Pimenteira bastarda: Portugal Pfefferstrauch: Alemão

Origem

Sul do Brasil (alguns autores consideram sua origem peruana)

Princípios ativos

Óleo essencial: rico em mono e sesquiterpenos, em teor de 1% para as folhas e 5% para os frutos.

Taninos, Resinas, Alcalóides, Flavonóides, Saponinas esteroidais, Esteróides, Triterpenos. Para as sementes é citado um teor de óleo fixo da ordem de 14%. O óleo essencial da Schinus terebinthifolius contém: cis-sabinol, p-cimeno, limoneno, simiarinol, alfa e beta pineno, delta-caroteno, alfa e beta felandeno, triterpenos como o ácidomasticodienóico, 3 hidroximasticodiênomico, schinol, terechutona, baicremona e ácido terebentifólico.

Uso medicinal

As cascas e folhas secas da aroeira são utilizadas contra febres, problemas do trato urinário, contra cistites, uretrites, diarréias, blenorragia, tosse e bronquite, problemas menstruais com excesso de sangramento, gripes e inflamações em geral. Sua resina é indicada para o tratamento de reumatismo e ínguas, além de servir como purgativo e combater doenças respiratórias.

Emprega-se também contra a blenorragia, bronquites, orquites crônicas e doenças das vias urinárias.

Seu óleo resina é usado externamente como cicatrizante e para dor-de-dente.

A resina amarelo-clara (a qual endurece ao ar tornando-se azulada e depois pardacenta), proveniente das lesões das cascas, é medicamento de larga aplicação entre os sertanejos, como tônico, nos casos em que usam cascas.

Em outros tempos, a aroeira foi utilizada pelos jesuítas que, com sua resina, preparavam o " Bálsamo das Missões ", famoso no Brasil e no exterior.

A planta inteira é utilizada externamente como anti-séptico no caso de fraturas e feridas expostas. O óleo essencial é o principal responsável por várias atividades desta planta, especialmente à ação antimicrobiana contra vários tipos de bactérias e fungos e contra vírus de plantas, bem como atividade repelente contra a mosca doméstica. Este óleo essencial, rico em monoterpenos, é indicado em distúrbios respiratórios. É eficaz em micoses, candidíases (uso local) e alguns tipos de câncer (carcinoma, sarcoma,etc.) e como antiviral e bactericida. Possui ação regeneradora dos tecidos e é útil em escaras, queimaduras e problemas de pele.

Externamente, o óleo essencial da aroeira brasileira utilizado na forma de loções, gels ou sabonetes, é indicado para limpeza de pele, coceiras, espinhas (acne), manchas, desinfecção de ferimentos, micoses e para banho.

Em muitos estudos in vitro, extratos da folha da aroeira brasileira demonstram ação antiviral contra vírus de plantas e apresentam ser citotóxicos para 9 tipos de câncer das células.

Em banhos é utilizado o decocto da casca de aroeira para combater úlceras malignas.

Dosagem indicada

Gota, reumatismo e ciática. Banho- ferver 26g de cascas de aroeira em um litro de água. Tomar, diariamente, um banho de 15 minutos, tão quente quanto possível. Um ensaio clínico feito com extrato aquoso das cascas de Schinus terebinthifolius na concentração de 10% aplicado na forma de compressas intravaginais em 100 mulheres portadoras de cervicite e cervicovaginites promoveu 100% de cura num período de uma a três semanas de tratamento.

Gargarejos, bochechos, compressas, tratamento tópico de ferimentos de pele ou mucosas, infectadas ou não, cervicite, hemorróidas inflamadas, gengivas inflamadas. Cozinhar em 1 litro de água, 100g da entrecasca limpa e seca da Schinus terebinthifolius, quebrada em pedaços pequenos.

Azia e gastrite. Utilizar os frutos cozidos de 2 vezes, cada vez com meio litro de água. Beber em doses de 30 ml duas vezes ao dia.

Uso culinário

A pequena semente do fruto da aroeira vermelha, redondinha e lustrosa, inscreve-se entre as muitas especiarias existentes e que são utilizadas essencialmente para acrescentar sabor e refinamento aos pratos da culinária universal. O sabor suave e levemente apimentado da aroeira vermelha, bem como sua bonita aparência, de uso decorativo, permite o seu emprego em variadas preparações, podendo ser utilizada na forma de grãos inteiros ou moídos. No entanto, a aroeira é especialmente apropriada para a confecção de molhos que acompanham as carnes brancas, de aves e peixes, por não abafar o seu gosto sutil.

Introduzida na cozinha européia, com o nome de aroeira poivre rose (pimenta-rosa), a aroeira vermelha acrescentou um gostinho tropical à nouvelle cuisine.

Outros usos

Devido ao alto teor de tanino, é empregada nos curtumes para curtir peles e couros. As folhas maduras passam por forrageiras. No Peru, a aroeira é utilizada após fermentação para se fazer vinagre e bebida alcoólica.

Contra-indicações

Em todas as partes da planta foi identificada a presença pequena de alquil-fenóis, substâncias causadoras de dermatite alérgica em pessoas sensíveis. Sentar-se à sombra desta aroeira implica grandes riscos, pelos efeitos perniciosos que pode provocar. As partículas que se desprendem de sua seiva e madeira seca podem causar uma afecção cutânea parecida com a urticária, edemas, febre e distúrbios visuais.

O uso das preparações de aroeira deve ser revestido de cautela por causa da possibilidade de reações alérgicas na pele e mucosas. Caso isto aconteça, suspenda o tratamento e procure o médico o mais cedo possível.

Curiosidades

Seus frutos são utilizados na Flórida para decoração de Natal, o que lhe conferiu a denominação de Christmas-berry. Em 1996, uma patente americana foi criada para um produto feito com o óleo essencial de aroeira brasileira, Schinus Terbinthifolius, como um remédio tópico de ação bactericida utilizado contra Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus para seres humanos e animais (um preparado par nariz, ouvido e peito).

A mesma companhia criou uma outra patente em 1997 para um preparado similar usado para limpeza de pele e de ação bactericida.

Bibliografia

  • Plantas medicinais brasileiras. Edvaldo Rodrigues de Almeida.
  • Plantas que curam. Editora Três.
  • Plantas Medicinais no Brasil. Harri Lorenzi & F.J. Abreu Matos.
  • Dicionário das Plantas Úteis do Brasil. M. Pio Corrêa.
  • Herbs and Spices. Simon & Schuster´s
  • Árvores Brasileiras. Harri Lorenzi

4 comentários:

antonio disse...

sou um amante da natureza!amei o blog,moro em Búzios e acho lindo a epoca do fruto da aroeira.parabens pelo blog.
abraços!
Carlos Tavares

Anônimo disse...

Prezado Amigo: estou maravilhada com materia , estava eu a procura de remedio natural para curar as escaras de meu marido que esta a 5 (Cinco) anos acamado e tem muitas feridas, e nada sara, vou começar a usar aroera. muito obrigada.
Parabéns.

marildasvicente disse...

Adorei a reportágem e é bom sabe que tem alguem em fazendo um trabalho sério sobre os benefícois das plantas do nosso território,beijo e espero ver outras reportágens iguais.

marildasvicente disse...

A adorei a repotagem sobre as plantas do nosso território e espero ver outras iguais é bom saber que tem gente séria fazendo um trabalho tão emportante,beijo até breve.